Solos de Rua

2018

Inspira-se no texto manifesto “As Embalagens”, de Tadeusz Kantor e baseia-se na performance “Solo de Rua”/2012, de Luciana Bortoletto. Trata-se de um jogo coreográfico no qual as criadoras-intérpretes, músicos e grandes lonas plásticas se afetam mutuamente em espaços públicos de grande circulação, misturando-se e friccionando a paisagem local. Não é possível saber, ao certo, o que emerge de dentro da multidão. O que se sabe é que, de vez em quando, não convém permanecer em silêncio, pois é urgente mover, dobrar (-se), friccionar, atar, ocultar, revelar, desviar, dizer e não apaziguar. Pesquisa e remontagem realizada com apoio da 20a. Edição do Programa Municipal de Fomento a Dança 2016, projeto Vir-a Ser.

Ficha Técnica
...AVOA! Núcleo Artístico
Concepção
Luciana Bortoletto
Direção artística e coreográfica
João Batista Brito Cruz
Direção musical
Izabel Martinelli e Mônica Caldeira
Intérpretes-criadoras
João Batista Brito Cruz (Sax ) e Santhiago Nery (Percussão)
Performance sonora
Telumi Hellen
Figurinos
Silvia Machado, Fábio Minagawa
Fotos
Academia Activa, Associação Viva o Centro, Centro de Referência da Dança de São Paulo, Centro de Pesquisa da Máscara, Cooperativa Paulista de Dança, Aqui Ali Dança e Cultura (Palacete Tereza Toledo Lara)
Apoios